Todos os posts de jnnabocadopovo

Homem é detido com 02 sacos plásticos de maconha em Venda das Flores em Miracema

De acordo com a Seção de Comunicação Social do 36°BPM, na noite deste sábado 24 de julho, um indivíduo em um veículo em atitudes suspeitas foi abordado em frente ao em ao DP de Venda das Flores na RJ 116 em Miracema.

Em revista ao veículo os Policiais encontraram 02 sacos plásticos de tamanho médio de maconha.

Diante dos fatos a ocorrência seguiu para a 137°DP, onde o indivíduo de 29 anos foi autuado no ART. 28 da Lei 11.343/2006 e liberado após depoimento.

Cocaína e maconha são apreendidos no bairro Cidade Nova em Pádua, um indivíduo foi encaminhado para a Delegacia

De acordo com a Seção de Comunicação Social do 36°BPM, na noite deste sábado 24 de julho, Policiais Militares seguiram até a rua Vanir Xavier do Amaral no bairro Cidade Nova em Pádua, após receberem informações de um indivíduo praticando tráfico de drogas.

No local os policiais observaram um indivíduo pulando o muro de uma residência abandonada, pegando algo e entregando para um outro indivíduo em um veículo.

Logo em seguida o indivíduo que havia pulado o muro foi encontrado na praça da Cidade Nova, onde o mesmo foi detido e levado até a residência abandonada, no local os policiais encontraram 08 pinos de cocaína e 01 bucha de maconha.

Diante dos fatos o caso seguiu até a 136°DP, onde o caso foi apresentado e o indivíduo de 20 anos ouvido e liberado.

A Polícia ressalta que o material entorpecente foi apreendido e encaminhado para a perícia e o dinheiro e o celular entregues ao indivíduo.

Banco digital x banco tradicional: qual a melhor escolha para o empreendedor?

Consultor contábil explica quais as vantagens de cada um para os negócios.

O crescimento dos bancos totalmente digitais tem sido uma realidade no Brasil. De acordo com a pesquisa “A revolução dos bancos digitais 2020”, encomendada pelo boostLAB, o hub de negócios do BTG Pactual para empresas tech, somente entre os anos de 2017 e 2018, o aumento foi de 147%.

Segundo o levantamento, um dos principais atrativos dos bancos digitais está no crédito. 54% dos entrevistados contaram que a isenção de anuidade, juros e taxas mais baixas em relação aos bancos tradicionais, são alguns dos principais fatores que atraem os usuários de cartões de crédito oferecidos por fintechs e bancos digitais.

Ao mesmo tempo em que os bancos totalmente digitais crescem, as instituições tradicionais estão trazendo plataformas de investimentos e investindo cada vez mais em tecnologia para diversificar serviços e ampliar a segurança de dados. Tudo isso sem deixar de lado a presença física.

Conforme apresentado pela pesquisa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), os bancos, incluindo digitais, fizeram um investimento de R$ 8,9 bilhões em tecnologia no ano de 2020 — um aumento de 7%, o que corresponde a R$ 8,3 bilhões, em relação a 2019, quando ainda não havia pandemia no Brasil.

Nessa disputa, apesar do crescimento e investimento, muitos usuários, como micro, pequenas e médias empresas, ainda se sentem confusos no momento de escolher o melhor tipo de instituição financeira para as suas necessidades, é o que afirma Ricardo Santos, especialista e CEO da ConsulFis Contabilidade Consultiva.

Ricardo Santos

Como orientação, Ricardo explica que os bancos tradicionais possuem uma credibilidade forte no mercado, pois existem há anos e por isso fornece uma sensação de segurança. “Já os bancos digitais são relativamente novos, necessitam mais de tecnologia do que de estrutura física, conseguem atender muita gente com baixo custo e geralmente possuem plataforma intuitiva, como por exemplo os aplicativos”, destaca.

O especialista explica que há várias décadas os serviços bancários eram realizados através de uma agência física. “Com o advento da tecnologia, tornou-se possível que os serviços bancários sejam realizados através da internet”, conta.

De acordo com Ricardo Santos, o melhor caminho no momento da escolha sobre qual o tipo de banco que se encaixa com o perfil do empreendedor (micro, pequena, média e grande empresa), seja digital ou tradicional, é saber diferenciá-los. “O banco digital possui um custo mais baixo de taxa de mensalidades, por isso eles levam vantagem em relação aos bancos tradicionais, logo é mais indicado para micro e pequenas empresas, até mesmo para o MEI – Microempreendedor Individual”, esclarece.

O especialista acrescenta que os bancos tradicionais são mais indicados para aquelas empresas que possuem uma gestão financeira mais madura, utilizam sistemas de gestão financeira e aproveitam a tecnologia para fazer integração bancária, independente do seu porte.

Neste processo de saber para onde recorrer, a contabilidade consultiva tem a missão de orientar o empresário a decidir pelo caminho que seja mais benéfico para a sua empresa.

“O fato de não possuir taxas bancárias não diz que o banco digital é o melhor. É preciso avaliar a contrapartida que o banco oferece ao usuário. Por exemplo, um banco digital que não cobra taxas, porém, não há como realizar pagamentos da folha de salários, pode ser ruim para a gestão”, salienta Ricardo.

Outro aspecto levantado pelo consultor é que infelizmente a liberação de crédito nos bancos digitais ainda é um empecilho na hora da decisão. “Neste caso, os bancos tradicionais ganham pontos, pois, normalmente, já possuem linhas de crédito. No entanto, não é garantido que toda empresa que seja cliente de uma instituição financeira tradicional tenha a liberação de crédito”, explica.

Ricardo lembra que para o sucesso na escolha, o empresário deve avaliar se a ausência de crédito inviabiliza a atividade da empresa. “Caso seja, deverá optar por um banco tradicional”, pontua.

Para o especialista, o banco digital é uma tendência e o caminho é que todos sejam digitais, porém não significa que os bancos não tenham agências físicas. “Atualmente, bancos tradicionais já possuem serviços totalmente digitais, inclusive com abertura de conta e gerente dedicado”, lembra.

Ricardo complementa que bancos digitais causaram mudanças e no futuro não será comum uma pessoa ir a uma agência bancária. “Enquanto isso a população irá se adequando à nova realidade, se adaptando ao digital e aprendendo a utilizar tempo ao invés de pegar filas para sacar dinheiro ou pagar contas”, conclui.

Para mais informações sobre Gestão Financeira, pautas e entrevistas, acesse www.consulfis.com.br ou a página do Instagram @consulfis.

Por: Criativos

Estado distribui 197 mil doses de vacina Oxford/Astrazeneca aos 92 municípios

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) realiza neste sábado a entrega de 197 mil doses da vacina Oxford/Astrazeneca aos 92 municípios do estado. A remessa é destinada à ampliação da cobertura vacinal da população fluminense.

Para os municípios das regiões Norte, Noroeste, Baixada Litorânea e Costa Verde, a distribuição será realizada por três helicópteros, sendo um da Secretaria de Saúde, um do Governo do Estado e um da Polícia Militar. As aeronaves partem às 8h do Grupamento Aeromóvel da Polícia Militar, em Niterói. Já para as demais cidades, a entrega será realizada por vans e caminhões, com escolta da Polícia Militar, que sairão da Coordenação Geral de Armazenagem (CGA) da SES, a partir das 7h.

A Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (SVAPS) vem reforçando rotineiramente com as secretarias municipais de Saúde a importância de responsáveis técnicos e gestores municipais organizarem suas ações de vacinação, respeitando a destinação das doses para a primeira ou segunda aplicação do esquema vacinal. A SVAPS ressalta que a distribuição do imunizante é feita de forma proporcional e igualitária a todos os municípios.

– Esta semana, o estado do Rio de Janeiro atingiu a marca de mais de 10 milhões de doses aplicadas contra Covid-19. Isso representa 53,7% da população com 18 anos ou mais imunizada com a primeira dose e 21,8% com a segunda dose ou dose única do esquema vacinal. Neste momento, é importante que os municípios realizem uma busca ativa para identificar as pessoas que ainda não retornaram aos postos para tomar a segunda dose da vacina – destacou o secretário de Saúde, Alexandre Chieppe.